© 2023 por Amante de Livros. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Google+ B&W
Please reload

Tags
Destaque

A águia que não queria voar (James Aggrey & Wolf Erlbruch)

December 28, 2017

1/10
Please reload

Lá e aqui (Carolina Moreyra & Odilton Moraes)

10.08.2017

  

Lá e aqui é uma daquelas obras infantis que te pegam de surpresa e te fazem chorar aos soluços na livraria. Então, prepare-se! Esteja aberto para conversar sobre as crianças sobre divórcio, guarda compartilhada, tristeza, mudanças e relações familiares.

 

A narrativa de Carolina floresce na companhia da ilustração de Odilton, juntos eles conseguem contar uma história na perspectiva poética e imagética de uma criança. Beleza, sensibilidade e amor lhe aguardam nessa história sobre casa que se afogou e se transformou em duas. Já avisamos, mas não custa reforçar... quando você for contar essa história, tenha um lencinho por perto. 

 

Mais do que um livro sobre divórcio e guarda compartilhada, o livro nos convida também para repensar nossas relações familiares e valorizar as diferenças nos relacionamentos que constituímos com nossos pais e nossas mães. 

 

Nosso desejo para que, independentemente de lá ou aqui, nossos pequenos leitores tenham e reconquistem lares afetuosos e seguros. 

 

Pontos de conversa:

1) Lar e casa;

2) Divórcio;

3) Casamento;

4) Família;

5) Mudanças e transformações;

6) Tristeza;

7) Rotina;

8) Orientação espacial;

9) Atividades familiares;

10) Relacionamentos;

11) Emoções e afetos;

12) Crise;

13) Dificuldades financeiras;

14) Metáforas;

15) Chuva e fenômenos naturais;

16) Jardim/quintal;

17) Animais de estimação.

 

Dicas de mediação:

1) "Era uma vez uma casa", é assim que começa este livro, e logo descobrimos que não é uma casa qualquer "a minha casa" (págs. 6 e 7).

    a) Incentive as crianças a imaginarem onde pode ser esta casa e o que pode haver nela.

 

2) Nas páginas seguintes (págs 8 a 15), nosso protagonista nos apresenta tudo que há na sua casa: um lago com peixinhos, cães (um grande e outro pequeninho), sapos e passarinhos, uma mãe e um pai.

    a) E nos lares de nossos pequenos leitores? Perguntem o que há na casa delas e quem mora com elas. 

    b) Valorize a diversidade de arranjos familiares e diferentes experiências. 

 

3) Algo acontece nas páginas 16 e 17. O que está acontecendo? Ajude as crianças a lerem a ilustração.

 

4) A chuva continua e "um dia  a casa se afogou" (pág. 19),  "os cachorros fugiram" (20 e 21), "as flores murcharam, o jardim morreu..." (22 e 23).

    a) Procure inferir junto às crianças a atmosfera afetiva que as ilustrações e o texto remontam.

 

5) As maravilhosas metáforas de Carolina Moreyra continuam e casam belamente com as ilustrações de Odilton.

    a) "Os peixinhos foram morar nos olhos úmidos da minha mãe" (págs. 26 e 27). Imagine com as crianças quantas lágrimas há nesses olhos mareados. 

    b) "Os sapos levaram os ensopados pés de papai para longe" (págs. 28 e 29). Imagine por quais lugares ermos e pantanosos estes pés andaram.

 

6) A casa se esvazia, mas logo se transforma. "Nossa casa virou duas: uma da mamãe, uma do papai". ;,)

    a) Algum dos seus pequenos leitores tem mais de uma casa também?

    b) O que há diferente nas casas da mamãe e do papai? Você pode trabalhar esta pergunta tanto a nível da imagem quanto com as experiências das próprias crianças.

 

7) Aos poucos, as novas casas se transformam em novos lares "Na casa da mamãe tem cosquinha e televisão. Na casa do papai tem história e violão" (págs. 36 a 39).  E feridas começam a se curar, "Os olhos da mamãe secaram e os peixinhos foram morar no aquário. Os pés do papai acharam seu caminho, e os sapos voltaram para o jardim".

   a) O que as crianças costumam fazer com seus pais, mamães e cuidadores?

   b) O que há no lar de nossos pequenos leitores que fazem elas se sentirem em casa?

 

8)  O livro termina com braços abertos que esperam um abraço aconchegante. "Um dia estou lá. Outro dia, aqui. Mas sempre estou em casa." Não guarde os peixinhos nos seus olhos, pode chorar, não vamos contar para ninguém.

 

Please reload