© 2023 por Amante de Livros. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Google+ B&W
Please reload

Tags
Destaque

A águia que não queria voar (James Aggrey & Wolf Erlbruch)

December 28, 2017

1/10
Please reload

Tatu-Balão (Sônia Barros & Simone Matias)

08.09.2016

 

 O tatu, era redondo, mas bola não era.

Não queria apenas rolar,

Queria ser balão,

E pelos céus viajar.

 

É no semi-árido nordestino que somos apresentados ao tatu-bola que queria ser balão, quando estava quase desistindo de seus sonhos quando encontra o menino Damião que lhe ensina outras maneiras de brincar.

 

Na paleta de cores que Simone Matias usou predomina as cores pastéis, que compõe um quadro de grande delicadeza visual. A escolha de cores, juntamente com a pintura que transpassa os contornos das imagens recebem os olhares dos leitores como um abraço acolhedor.

 

O árido da paisagem se contrasta com um poderoso e iluminado céu azul. E este encontro de opostos e contrates ocorre nos versos de Sônia Barros, com delicadeza e leveza, rimando e versando ela nos conta da limitação natural do pobre tatu que inviabiliza seu sonho.

 

É uma obra linda, que promove identificação empática com o protagonista e desenvolvimento de estratégias e soluções criativas. 

Rimemos então!

 

Pontos de conversa:

1) Amizade;

2) Textos poéticos e rima;

3) Sonhos;

4) Persistência;

5) Brincadeiras infantis;

6) Cultura nordestina;

7) Fauna brasileira;

8) Criatividade.

 

Dicas de mediação:

(Para facilitar as dicas, damos como referência as páginas e as estrofes que compõem o livro =) ).

1) Título curioso! Explore a capa. "Tatu-balão? Quem já viu um tatu-balão? Que tipos de tatu vocês conhecem?".

2) O tatu nos é apresentado... e a postura dele tem uma semelhança incrível com a obra de Rodin (O Pensador). Antes de começar o texto, pergunte as crianças o que elas podem inferir da personalidade do tatu a partir dessa imagem. 

3) Siga para a primeira estrofe. "Por que será que ele deseja ser balão? Qual a diferença de uma bola para um balão? De que formas podemos brincar com uma bola, e de que formas podemos brincar com um balão?" (Páginas 4 e 5).

4) Leia a segunda e a terceira estrofes e pause! Explore a imagem (páginas 8 e 9), no alto de um rochedo, junto com as nuvens e os pássaros está nosso amigo. "Por que ele foi até ali? O que vai acontecer?".

5) Siga a leitura, sem fazer interrupções entre a quarta e quinta estrofe. Note que gradualmente a tensão e o suspense começam a crescer no texto. Use de recursos dramáticos e de entonação para conduzir as crianças a esta sensação de mistério.

6) E então... como nosso amigo tatu, siga rimando desenfreado nas duas estrofes seguintes e rolando desenfreado pelas páginas. O texto novamente nos convida a uma pausa, apenas na página 17, então paremos junto com o tatu que se estatelou e terminou "cara-a-cara com o chão".

7) Ó, não! O plano do tatu-bola não deu certo! Aproveite esta pausa na narrativa para rever com as crianças qual foi este plano e pensar com ela o que pode acontecer com o tatu a partir desses acontecimentos. "Será que ele vai desistir? Se vocês pudessem ajudar o tatu a se transformar em um balão, como fariam?".

8) Volte a narrativa, e acompanhe o encontro do tatu com Damião. Perceba que o ritmo do texto se mantém pelas estrofes 8, 9 e 10, convidando a uma nova pausa na página 23. O tatu contempla (e não sem razão) as cores e formas da rabiola da pipa de Damião. Aproveite este momento para contemplar junto com as crianças "aquele quadro lindo", pergunte sobre a experiência delas com pipa e outras brincadeiras infantis.

9) A imagem nas páginas 24 e 25 já antecipam o movimento e dinamismo que prevalecerá pelas três estrofes seguintes, por isso aproveite para explorar esta imagem antes de ir para a narrativa. O sorriso do tatu já diz tudo! E as crianças captam muito bem esse sorriso travesso (elas até o imitam!).

10) A história está acabando e a autora jã nos prepara para a resolução e fechamento dessa história. Perceba que as estrofes 14 e 15 são mais lentas, novamente, usando recursos de entonação lentifique o ritmo e dê espaço para que as crianças completem as rimas do texto. 

11) Aproveite novamente esta pausa no texto para introduzir e conduzir as crianças para a última estrofe. "E do que eles podem brincar nos dias que não tiver vento ou o que o tatu pode ensinar a Damião?".

12) Leia a última estrofe... e aproveite para dar umas cambalhotas com as crianças você também! =D

 

 

Please reload